terça-feira, 27 de novembro de 2012

A palavra ( Ruben Braga )



97249673173100881bii7i22gc_large
Oi meus amores,

Eu já tinha planejado muitos posts para o blog, assuntos e até fofocas...
Mas, dpois que eu li um texto não parei mais de pesnsar nele...
A primeira vez foi quando estava fazendo a prova, Meu professor de português deixou esse texto lá no ínicio e meus olhos encheram-se d'agua...
Como um texto pode ser tão verdadeiro?Tão lindo?
Então resolvi deixar minhas ideias pra lá e mostrar ele pra vcs...

A palavra 


Tanto que tenho falado, tanto que tenho escrito - como não imaginar que, sem querer, feri alguém? Às vezes sinto, numa pessoa que acabo de conhecer, uma hostilidade surda, ou uma reticência de mágoas. Imprudente ofício é este, de viver em voz alta.
 
Às vezes, também a gente tem o consolo de saber que alguma coisa que se disse por acaso ajudou alguém a se reconciliar consigo mesmo ou com a sua vida de cada dia; a sonhar um pouco, a sentir uma vontade de fazer alguma coisa boa.
Agora sei que outro dia eu disse uma palavra que fez bem a alguém. Nunca saberei que palavra foi; deve ter sido alguma frase espontânea e distraída que eu disse com naturalidade porque senti no momento - e depois esqueci.
 
Tenho uma amiga que certa vez ganhou um canário, e o canário não cantava. Deram-lhe receitas para fazer o canário cantar; que falasse com ele, cantarolasse, batesse alguma coisa ao piano; que pusesse a gaiola perto quando trabalhasse em sua máquina de costura; que arranjasse para lhe fazer companhia, algum tempo, outro canário cantador; até mesmo que ligasse o rádio um pouco alto durante uma transmissão de jogo de futebol... mas o canário não cantava.
 
Um dia a minha amiga estava sozinha em casa, distraída, e assobiou uma pequena frase melódica de Beethoven - e o canário começou a cantar alegremente. Haveria alguma secreta ligação entre a alma do velho artista morto e o pequeno pássaro cor de ouro?
 
Alguma coisa que eu disse distraído - talvez palavras de algum poeta antigo - foi despertar melodias esquecidas dentro da alma de alguém. Foi como se a gente soubesse que de repente, num reino muito distante, uma princesa muito triste tivesse sorrido. E isso fizesse bem ao coração do povo, iluminasse um pouco as suas pobres choupanas e as suas remotas esperanças.
 
Autor: Rubem Braga

9 comentários:

  1. Olá amei seu blog bem legal gostaria de pedir um favor...
    Entra lá nu meu blog thainamoura.blogspot.com.br e segue e me avise comente que sigo também bj linda te mais....

    ResponderExcluir
  2. Oi Aninha!
    Amei o texto, Rubem Braga é um ótimo escritor pelo visto! BEIJOOOOS

    ResponderExcluir
  3. Oii' Gostei muito do seu blog, achei ele muito interessante e estou aqui para perguntar se voçê não gostaria de se afiliar ao meu blog
    http://comentariosde1garotaqualquer.blogspot.com.br/
    é de notícias de artistas e filmes famosos.
    Espero que aceite :)

    ResponderExcluir
  4. Ótimo escritor , bem qe ja me falarão .
    Beijos :)

    http://detudoumpouco04.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Obrigado meninas...

    Oi senhor anonimo, se naum gostou te convido a nao voltar, que tal?

    ResponderExcluir
  6. lá querida, estou muitisssimo feliz que tenha aceitado a parceria!!!
    Vou te colocar agr mesmo, Kisses

    Caaso vc queira eu posso fazer um post sobre teu blog tbm. :)

    ResponderExcluir
  7. Sobre a vida – e principalmente as circunstâncias que cercaram a a morte de Rubem Braga – vale a pena ler este excelente texto do mauro santayana, do Jornal do Brasil:
    http://www.maurosantayana.com/2013/01/rubem-e-o-poder.html

    ResponderExcluir

Olá !
Fiquem á vontade para comentar o que quiserem, mas por favor não usem palavrões.
Eu permito comentários anônimos, mas se eu tiver problema com isso eu vou impedir!

Obrigado pela visita! Sempre respondo os comentários.